Vaginismo
0
Posted in Autoestima, Saúde
junho 12th, 2018

Vaginismo: o que é, causas, sintomas e como é o tratamento

Existem muitas mulheres que ainda possuem vergonha ou até mesmo receio para falar sobre vaginismo ou ainda, mulheres que nem sabe que tem o problema e que ele pode ser resolvido.

Para uma mulher que possui a síndrome ela pode ser causadora de situações de desconforto e até mesmo vergonha.

Esse artigo te mostra como identificar, tratar e conviver com o vaginismo.

 

O que é o vaginismo?

É uma contração involuntária da região da vagina. A musculatura vaginal se contrai ao ponto de causar dor na mulher no momento da relação e até mesmo, muitas vezes não permitindo a penetração.

Imagine uma mulher que mesmo excitada com o seu parceiro sente desconforto ao se relacionar.

É isso que uma mulher com vaginismo sente. A sua causa na maioria das vezes ainda pode ser difícil de identificar mas é muito importante a identificação e tratamento.

A mulher que tem vaginismo deve procurar ajuda pois conviver com a dor na prática sexual pode trazer consequências ainda piores para a saúde.

A auto estima de uma mulher com vaginismo pode ser abalada, ela pode se sentir culpada e até mesmo terminar uma relação devido a sua baixa auto estima.

 

Os sintomas do vaginismo

Talvez fique muito difícil imaginar como você pode superar o vaginismo, mas conhecendo os sintomas já é o primeiro passo para descobrir.

 

O vaginismo pode causar depressão

Questões físicas e psicológicas

Ele pode estar associados a diversos fatores. Por isso a importância de procurar ajuda médica para descobrir qual pode ser o melhor tratamento para o caso.

Os sintomas mais associados ao vaginismo são:

  • Baixa autoestima
  • Dor durante a relação sexual
  • Falta de conhecimento sobre o próprio corpo
  • Contrações involuntárias na região vaginal
  • Traumas de infância

Mas engana-se quem acha que apenas mulheres sem uma vida sexual ativa podem ser sintomas do vaginismo.

Mulheres sem problemas na penetração também podem começar a sentir dores na penetração.

Com a vida moderna as mulheres ganham cada dia mais seu espaço mas também ganham maiores responsabilidades, isso aumenta o stress e cobrança sob si mesma.

 

Mulher com véu

Questões sociais e culturais

As questões sociais e culturais também podem interferir para a situação aparecer.

A sociedade impôs diversas barreiras para que as mulheres conseguissem obter maior prazer quando o assunto é o sexo.

Talvez até longe do termo prazer, todo o questionamento sobre alguma questões são vistas como tabu.

O sexo antes do casamento e a submissão da mulher são fatores que contribuíram para a associação e aumento de alguns incômodos psíquicos para as mulheres, e isso pode contribuir para o aparecimento do vaginismo.

Canal no YouTube

A diferença entre vaginismo e dispareunia

A dor sentida em decorrência do vaginismo pode ser confundida com as dores causadas por dispareunias.

A dispareunia pode ser consequência de uma série de outros fatores como infecções urinárias, má formação, atrofiadas ou ainda a falta de lubrificação.

Procurar ajuda para o correto diagnóstico é o primeiro passo para o tratamento correto.

 

Largue o preconceito

Muito se fala sobre os problemas sexuais dos homens e pouco se discute sobre os problemas relacionados ao corpo feminino.

Isso deve ser tachado como coisa do passado e você tem papel fundamental nisso.

Converse com o seu parceiro sobre suas dúvidas e seus desejos, deixe o preconceito de lado e incentive as pessoas a falarem sobre o tema, quando adequado.

Esse é o primeiro passo para um tratamento eficaz em relação ao tema.

 

Existe cura para o vaginismo?

Sim, existe cura. Mesmo que possa ser um processo lento e que pode mesclar tratamentos físico e psíquicos, existe cura para o problema.

Cabe ressaltar a importância da mulher ter apoio da família no tratamento, principalmente do parceiro.

A mulher com vaginismo pode estar altamente abalada em relação a sua autoestima e o papel do parceiro é primordial para um bom resultado do tratamento.

 

Como tratar o vaginismo

Cada caso é um caso e possui suas particularidades. Por isso a importância da identificação da causa base do vaginismo.

Aqui fica a dica: procure um ginecologista.

Ao procurar um profissional habilitado você pode se sentir mais segura em relação a expor suas necessidades e situações.

Quando a questão é física, como contrações da região o profissional especializado poderá receitar medicamentos que aliviam os sintomas.

Quando trata-se de questões psicológicas é necessário entender a causa de forma mais investigativa.

Os sintomas psíquicos podem estar relacionados a traumas na infância ou adolescência.

O seu parceiro também tem importância no tratamento. Para isso ele deve ser instruído a entender sobre o assunto para que não seja gerado nenhum preconceito.

O parceiro deve saber o que você sente e como você se sente sempre que acontece a contração involuntária.

Manter uma vida saudável com uma rotina regular de alimentação saudável e exercícios físicos pode acarretar em maior tranquilidade com o seu próprio corpo e facilitar o tratamento.

 

Como prevenir o vaginismo

O vaginismo pode ser prevenido, já que pode acontecer com mulheres que já possuem uma vida sexual ativa.

A melhor forma de prevenir o vaginismo é a boa saúde mental mas é necessário ter momentos de intimidade consigo mesma, momentos para aproveitar sozinha e a prática de exercícios físicos.

Uma autoestima adequada ajuda também a reduzir o risco de aparecimento dos sintomas do vaginismo.

 

Concluindo

Procure ajuda médica sempre que precisar. A sua saúde sexual depende de você.

Não tenha medo de expor a um profissional habilitado o que você sente e como isso afeta a sua vida sexual.

Você pode sim ter uma vida sexual mais ativa e acima de tudo sentir prazer, mas para isso você deve ter a soma de diversos fatores, seja físicos ou psicológicos.

Conhece alguém que possui vaginismo? Envia esse artigo para ela clicando aqui.

Avatar

Acredito que toda mulher é Única. Ajudo mulheres a sentirem melhores em sua sexualidade e bem estar.

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*